OpenOffice – Mudar Idioma

São muitas as pessoas que escolhem o  Inglês como idioma por predefinição do sistema operativo, devido ao facto de algumas traduções de menus,opções, etc. não estarem completas na língua-mãe.

No entanto existem situações em que nós queremos mesmo aquele software na língua-mãe. No outro dia perguntaram-me como poderiam colocar o OpenOffice em Português tendo instalado o S.O. em Inglês.

Pois bem,  para terem OpenOffice em Português iremos fazer o seguinte:

Instalar o pacote OpenOffice_org-l10n-pt do OpenOffice. Para tal façam:

sudo zypper install OpenOffice_org-l10n-pt

ou então instalem a partir do YaST  (OpenSuse)

Yast Install OpenOffice_org-l10n-pt

De seguida iniciem o OpenOffice Writer por exemplo, vão ao menu Tools->Options

OpenOffice Writer Options

Na nova janela aberta, vão Language Settings->Languages

Aí terão uma opção que diz User Interface, seleccionem a opção Portuguese (Portugal) façam OK e de seguida fechem a aplicação e voltem abrir para ter os menus do OpenOffice em Português.

Language Selection

OpenOffice PT

OpenSuse Tips & Tricks

Aqueles que usam o OpenSuse 11.2 com Gnome como ambiente gráfico, talvez já tenham notado que applet de mudança de frequência do CPU não está a funcionar correctamente… Nas versões anteriores este problema resolvia-se facilmente fazendo:

chmod -v 4755 /usr/bin/cpufreq-selector

No entanto nesta última versão o cpufreq-selector não existe, e fazendo o mesmo ao cpufreq-set não resolve (pelo menos para mim).
Então fica aqui um pequeno script que vos permite alterar entre o modo demand e performace e que depois poderão criar um atalho na vossa barra.

#!/bin/bash
####################################
#### CPU-Speed-Change            ###
#### Filipe Batista  	         ###
#### batista.filipe at gmail.com ###
####################################

CPU=`cpufreq-info --policy`
if [[ $CPU =~ ondemand ]]; then
	cpufreq-set -g performance
else
	cpufreq-set -g ondemand
fi

Já agora para criarem o atalho tenham atenção que o script tem de ser executado com permissões de root. Para tal metam no caminho algo como

/usr/bin/xdg-su -c  /caminho/davossa/pasta/cpu.sh

Google Chrome in Linux

Como muitos já sabem, foi lançada no passado dia 8 de Dezembro a versão beta Google Chrome para MAC e Linux.

Para instalarem basta irem a http://www.google.com/chrome e descarregar o ficheiro adequado para a vossa distro (Ubuntu/Debian/Fedora/OpenSuse).

Depois de instalarem verão que não conseguirão visualizar conteúdos flash. Para resolver isto deverão fazer o seguinte:

sudo mkdir /opt/google/plugins
sudo ln -s /usr/lib/flash-plugin/libflashplayer.so /opt/google/chrome/plugins/

Finalmente deverão alterar o vosso atalho do Google Chrome e colocar no final a opção:

google-chrome --enable-plugins

Free Linux E-Books

Hoje vou deixar-vos aqui alguns E-Books gratuitos de Linux e  de aplicativos para Linux.

A Byte of Vim

Linux 101 Hacks

Ubuntu Pocket Guide and Reference

The Easiest Linux Guide You’ll Ever Read – An Introduction to Linux for Windows users

Linux Starter Pack

Producing Open Source Software

Grokking the GIMP

Advanced Linux Programming

Advanced Bash-Scripting Guide

Bash Guide for Beginners

Introduction to Linux – A Hands on Guide

GNU/Linux Command−Line Tools Summary

The Linux System Administrator’s Guide

Pocket Linux Guide


SSH Agent


Um administrador de sistemas Linux o que mais usa com certeza é o acesso remoto via SSH. Qualquer administrador de sistema tem certas tarefas de rotina e de forma a não ter que estar presente para desempenhar algumas dessas tarefas poderá desenvolver scripts. Alguns destes scripts terão que ter acesso à máquina remota via SSH e de forma a podermos efectuar isto sem a introdução de dados (login e password) iremos usar os agentes de SSH.
Primeiro que tudo temos de ter instalado o SSH.

De seguida iremos gerar o par de chaves (publica/privada) na máquina cliente.

ssh-keygen -t rsa 

De seguida vamos copiar a chave pública para o servidor que pretendemos efectuar o acesso remoto.

ssh-copy-id -i ~/.ssh/id_rsa.pub nomeUtilizador@192.168.XX.XX

Por fim teremos de executar o SSH agent e carregar a chave para o agente.

eval `ssh-agent`

(Caso executem só ssh-agent é possível que quando tentem carregar a chave para o agente obtenham uma mensagem de erro  “Could not open a connection to your authentication agent.”)

ssh-add .ssh/id_rsa.pub

De seguida já poderão efectuar o vosso acesso remoto SSH sem introdução de password.

OpenSuse + Pinguins

Estava eu muito descansado a iniciar o computador quando no menu de arranque aparecem-me uns pinguins a dar de um lado para outro 😀

Ao que parece é um splash screen animado do GRUB que aparece aleatoriamente. Mas existe maneira de deixar permanentemente assim o nosso menu de arranque. Como root executem o comando:

gfxboot --change-config penguin=100

Para nunca mostrar façam:

 gfxboot --change-config penguin=0

Para mostrar aleatorimente:

 gfxboot --change-config penguin=-1

Fring + Video Calls

fring é um sistema voip peer-to-peer que permite chamadas e conversaçãop de  vários serviçis como Skype, ICQ, Google Talk, MSN Messenger, AIM, Yahoo Messenger, contas SIP, etc.

No inicio deste mês foi anunciada mais uma funcionalidade para o fring. Video chamada! Agora os utilizadores do fring que tenham configurada a sua conta do Skype já poderão efectuar video chamadas através de um iPhone, iPodTouch e também alguns modelos Nokia (Nokia 5800, N97, N95 e N82).

Spotify + Symbian

Depois de estar disponível para Android e Iphone chega a vez dos Symbian. Agora já podem aceder às vossas playlists criadas no Spotify em qualquer lugar. O Spotify Mobile permite ainda que o utilizador aceda às suas playlists em modo offline e ainda “On-fly-sync”, ou seja, adicionem uma música à vossa playlist e esta aparecerá automaticamente na playlist do Spotify do vosso computador (e vice-versa).

De referir ainda que as versões mobile apenas estão disponíveis para utilizadores Premium.

Mais Info

m.spotify.com

Google Chrome OS – Primeiros Testes

Já comecei a fazer os primeiros testes no Google Chrome OS. Poderão testar, descarregando o ficheiro *.vmdk para VMWare (ou VirtualBox) do site gddt.com (Aqui) ou via torrent (Aqui).

O que se pode dizer? Pouco ou nada. Nota-se que ainda está muito trabalho pela frente, ainda estão poucas aplicações disponíveis na “Application Tab”  (Nota: na versão torrent a “Application tab” não está aparecer correctamente), a velocidade do SO não é possível testar visto que assim que iniciamos o SO via vm (virtual machine) fica muito lento.

Btw, caso queiram testar não se esqueçam que a vossa vm tem de ter acesso à internet para fazer login, visto que usa as credenciais da vossa conta gmail.